Filo Cnidaria - Os Cnidários

Características Gerais

 

• Animais aquáticos, de água doce ou salgada.

 

• Existem formas sésseis (pólipos) e móveis (medusas).

 

• A parede do corpo é formada por três camadas: epiderme, mesogléia e gastroderme.

 

• Possuem células urticantes chamadas de cnidócitos.

 

 

        Ex.: Águas-vivas, anêmonas e corais.

 

      Animais como a hidra, as águas-vivas e os corais pertencem ao filo Cnidaria. São animais de estrutura bastante simples. Sua organização é de nível tecidual, ou seja, suas células agrupam-se em tecidos especializados para realizar as diferentes funções, sem, contudo, haverem órgão complexos.

      Apesar de sua simplicidade, os cnidários são um grupo bem-sucedido. Existe em grande número em ambientes marinhos, preferencialmente em águas tropicais de pouca profundidade. Poucas espécies são de águas doces e não há entre os celenterados representante terrestre.

   Os cnidários são animais diploblasticos. A parede de seu corpo é formada por duas camadas celulares: a epiderme (externa), e a gastroderme (interna). Entre as duas camadas celulare, há uma massa gelatinosa denominada mesogléia.

     Os cnidários possuem simetria: as partes do corpo distribuiem-se em rados ao redor de um eixo simples.

    Algumas formas de cnidários vivem livremente, enquanto outras formam colônias. É comum entre esses animais o poliformismo, ou seja, a presença de duas ou mais formas diferentes na mesma espécie. O poliformismo pode ser evidênciado em colônias onde coexistem diferentes formas de uma mesma espécie ou, em indivíduos que durante o seu ciclo de vida passam por uma sucessão de formas corporais diferentes.

     Basicamente, distinguem-se duas formas corpóreas entre s celenterados: o pólipo ou hidrante e a medusa.

    Os pólipos têm o aspecto de um cilindro de base fechada, por onde se fixam a um substrato. Na parte superior, localiza-se a boca, que é ladeada por tentáculos.

    As medusas têm o aspecto de um guarda-chuva aberto, onde a boca se representa voltada para baixo e também rodeada por tentáculos. Seu corpo é gelatinoso e nadam livremente.

     A hidra é um pequeno pólipo encontrado em águas doces de lagos e rios, onde se fixam na superfície de rochas ou de vegetais aquáticos.

   A parede do corpo de uma hidra, obedecendo a características presentes em todos os celenterados, apresenta-se constituída por duas camadas celulares. A camada externa é a epiderme e a interna é a gastroderme, sendo que entre ambas há uma mesogleia delgada.

   Em águas pouco profundas, logo abaixo do nível das marés, encontram-se animais com aparência de musgos, pertencentes ao gênero obelia.

    A obelia é uma colônia de pólipos, ou seja, um conjunto de indivíduos agrupados com prepartição de trabalho. Além disso, possuem uma fase intermediária de vida na forma de medusa.

 

 

 

 

     Há três classes de celenterados: hidrozoários, cifozoários e antozoários.

 

Hidrozoários: são pólipos bem desenvolvidos com fase de medusa pequena ou ausente. Em algumas espécies há reprodução por metagênese. A esta classe pertencem a hidra, a obelia e a physadia.

Pólipo

 

Cifozoários: predominam as grandes medusas, chamadas cifomedusas. Os pólipos, chamados cifístomas, são de pequeno tamanho e de vida curta. Os cifozoários são exclusivamente marinhos. Como representante desta classe, temos a Aurelia SP ou água-viva.

Água-viva

 

Antozoários: São exclusivamnete pólipos e não fazem metagênese. São todos marinhos, como os corais e anêmonas-do-mar ou actínias.

Anêmonas-do-mar

 

               Pólipo e Medusa

Estrutura Corporal

 

 
 
 

 

Reprodução

        Os cnidários se reproduzem de modo assexuado e sexuado.

 

     Na fase de medusa, ocorre a reprodução sexuada, com exceção dos corais e anêmonas-do-mar (antozoários), das hidras e outras poucas espécies que nunca desenvolvem. Machos e as fêmeas liberam os seus gametas na água, que encontrando-se e conjugando-se nesse local, originam o zigoto; existem espécies onde esse encontro ocorre na cavidade gástrica.

     As larvas pelágicas, denominadas plânulas (ciliadas), saem dos ovos e ao encontrarem um substrato, se fixam virando pólipos. Em certos cnidários, como os corais, a fase de pólipo é a definitiva.

      A reprodução assexuada ocorre na fase de pólipo, quando há a formação de réplicas miniaturas de si mesmos, por meio de evaginação de sua parede, que recebe o nome de gomos. Já no caso dos corais, estes novos pólipos formam o seu “esqueleto” e permanecem fixos, contribuindo para o aumento da colônia.

     Em determinados casos, os gomos acabam por dividirem-se em discos sobrepostos, por meio de um processo conhecido como estrobilização, sendo esta também outra forma de reprodução do tipo assexuada. Esses discos se libertam e originam medusas pequenas, denominadas efíras que crescem e podem se reproduzir de forma sexuada.

 

 

 

Fontes de Imagens

https://www.infoescola.com/biologia/cnidarios-coelenterata-celenterados/

https://www.sobiologia.com.br/conteudos/Reinos2/biocnidario.php

https://www.infoescola.com/biologia/cnidarios-coelenterata-celenterados/

https://esthercientista.blogspot.com.br/2011/06/reproducao-dos-cnidarios.html


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!