Reino Plantae

         Os  seres vivos do reino vegetal apresentam, entre outras, as seguintes características. São:

- Eucariontes;

- Pluricelulares e

- Autótrofos Fotossintetizantes. 

      O fato de serem pluricelulares, nos diz que o seu corpo possui muitas células. São classificados como eucariontes, pois seu material genético encontra-se envolvido por uma  membrana nuclear, chamada carioteca, ou, também, cariomembrana. Pelo fato de produzirem o próprio alimento (autótrofos) pelo processo de fotossíntese, são classificados como autótrofos fotossintetizantes.

         Todos os vegetais se desenvolvem de um embrião.

 

            Reprodução

      A reprodução dos vegetais ocorre por metagênese, que é uma alternância de gerações. Nesse ciclo de vida ocorrem duas gerações. 

     Nessa alternância de gerações ocorre uma com reprodução sexuada, chamada de gametófito (produz gametas) e outra assexuada, conhecida como esporófito (produz esporos). Os gametas (células haploides), que se originam por Meiose, vão depois se combinar (fecundação) e produzir o zigoto (diploide).

      A Meiose ocorre na fase intermediária ou espórica para formar os esporos. Os esporos, mesmo que sejam células de reprodução assexuada, darão origem a uma geração sexuada (gametófito haploide) e, assim produzirão, por mitose, gametas haploides.

 

                    

                               

                

                     Respiração       

      Os processos celulares dos seres vivos requerem energia, que é armazenada nas ligações químicas da molécula ATP (trifosfato de adenosina). Quando essas ligações se quebram, a energia é liberada. A energia para formar o ATP vem de substâncias orgânicas (açúcares e lipídeos). Nas plantas, a fotossínte produz açúcares (glicose). A respiração celular é a quebra da glicose para a obtenção de energia. Nos vegetais, a respiração é a reação inversa à fotossíntese. Em seu ambiente natural, a taxa de fotossíntese (liberação de O2 ) é maior do que a de respiração (absorção de O2 ). A glicose também sobra, e o excedente é guardado na forma de amido.

       Existem dois processos de extração da energia dos açúcares e lipídeos. Um envolve o oxigênio e se chama respiração aeróbica; outro, realizado sem oxigênio, é a respiração anaeróbica, ou fermentação.

       Nos vegetais, a respiração é a reação bioquímica inversa á fotossíntese. Em seu ambiente natural, a taxa de fotossíntese - liberação de O2 - é bem maior do que a taxa de respiração - absorção de O2. A glicose tambem sobra, e o excedente é armazenado pelo vegetal na forma de amido. 

        A maioria dos seres vivos - e todos os animais e vegetais - faz a repiração aeróbica. A energia da glicose é liberada aos poucos para a síntese do ATP, e, no final, sobram apenas compostos inorgânicos simples - CO2 e água. A rentabilidade desse tipo de respiração é muito grande: ao final da quebra de uma molécula de glicose são liberadas 38 moléculas de ATP    

            

 

                               Osmose e Difusão

          As células das plantas também desenvolveram mecanismos para resistir ao excesso ou falta de água: elas são dotadas de uma parede de celulose permeável que envolve a membrana plasmática e permite a entrada de água.  

         Em situações ideias, a célula absorve água até o máximo permitido pela parede. O excesso armazena-se no vacúolo, que ocupa a maior parte do volume do citoplasma. A concentração na solução do citoplasma é o fator que regula as trocas de líquido entre a célula e o meio. Quando a solução absorvida do solo está menos concentrada do que a solução no interior das paredes da célula, a água entra, por osmose. Já uma célula mergulhada numa solução com concentração maior do que a solução interna perde tanta água que o citoplasma pode reduzir-se fortemente. É o que se chama plasmólise.

Osmose em Célula Vegetal

 

         Para manterem o metabolismo e regularem a absorção de água, os vegetais precisam de sais minerais e íons. Esses elementos podem ser absorvidos, em solução, do solo, por simples difusão (transporte passivo) ou com gasto de energia (transporte ativo).

Difusão em Célula Vegetal

 

 

                             

Fontes de Imagens:

https://www.pauloferraz.com.br/fotosplantas/1linhaevolutiva.jpg

https://www.nte-jgs.rct-sc.br/~rodolpho/301b/reprodplantas/desenvolvimento.html

https://www.pauloferraz.com.br/fotosplantas/5briofitas2.jpg

https://www.pauloferraz.com.br/trab_reproducaodasplantas.htm

https://www.mundovestibular.com.br/articles/3471/1/REPRODUCAO-DAS-PLANTAS/Paacutegina1.html

https://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/tvmultimidia/imagem/6biologia/4euglena.jpg

https://www.coladaweb.com/biologia/ecologia/algas-verdes-cloroficeas

https://www.not1.xpg.com.br/fotossintese-etapas-luminosa-e-escura-caracteristicas-e-fatores/

https://1.bp.blogspot.com/-_i0Vy4rd9LM/TicT0xS6NcI/AAAAAAAALus/bC99-SJYJ0E/s1600/PROCESSO+RESPIRA%25C3%2587%25C3%2583O+CELULAR.jpg

https://train.orgfree.com/site/?p=23

https://www.infoescola.com/biologia/osmose/

https://www.biologia.blogger.com.br/

https://djalmasantos.files.wordpress.com/2012/02/02.jpg

https://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/tvmultimidia/imagens/2010/biologia/8transportes.jpg

 

        

 

 

    


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!