As Briófitas (Musgos)

         As primeiras plantas terrestres eram, provavelmente, similares às atuais briófitas musgos, sempre pequenos e rasteiros. As briófitas são avasculares, isto é, não têm vasos condutores de seiva. Coma nas algas, os nutrientes, a água e os sais minerais são absorvidos do solo e passam de célula em célula. Por isso, esse tipo de vegetal não pode ser muito grande.

 

     Em sua fase mais duradoura, as briófitas são haploides - seus cromossomos não vêm em pares. As plantas se separam entre femininas (seu órgão reprodutor se chama arquegônio) e masculinas (o órgão denomina-se anterídio). O anterídio produz células similares a espermatozoides (os anterozoides), mas com dois flagelos. O ciclo de vida das briófitas recebe o nome de haplodiplobionte

 

    Em dias chuvosos ou sob o orvalho, os anterozoides nadam até uma planta feminina e fecundam oosfera, o gameta feminino. Os dois gametas se fundem, gerando uma célula diploide, que passa a se dividir até formar uma nova planta, o esporófito. Essa fase diploide é provisória. O esporófito dura apenas até formar uma estrutura chamada esporângio, que divide as  células diploides em haploides, novamente, por meiose. Assim são produzidos os esporos. Estes germinarão na forma de novas plantas masculinas e femininas, completando o ciclo.

 

                   

 

Ciclo Reprodutivo de um Musgo
 
         Em  seu  ciclo  reprodutivo  (metagênese  ou  alternância  de  geração    ocorre  tanto reprodução assexuada quanto sexuada) as briófitas passam por duas fases:
 
1fase - Esporófito: Assexuado e diplóide (2n). 
 
Porção  diplóide  do  musgo  que  produz  esporos  por  meiose  (meiose  espórica  ou intermediária).  O  esporófito  está  presente  apenas  em  uma  fase  da  vida  do  musgo (fase transitória). Essa estrutura é dependente do gametófito.
 
2fase - Gametófito: Sexuado e haplóide (n).
 
Nessa  fase  o  gametófito  forma  os  gametângios  que  são  os  órgãos  produtores  dos gametas.
 
a)  Anterídio:  nome  do  gametângio  masculino    produz  o  gameta  masculino (anterozóide);
 
b) Arquegônio: nome do gametângio feminino  produz o gameta feminino (oosfera).
 
Em ambiente favorável os esporos germinam e formam os gametófitos masculinos e femininos. Por meio de gotículas de água que caem sobre o anterídeo ocorre liberação dos anterozóides que caem e nadam no interior do arquegônio até a fecundação da oosfera (fecundação dependente de água) formando o zigoto (2n) em cima do gametófito feminino. O desenvolvimento desse zigoto forma o esporófito (2n). O esporófito maduro libera esporos que iram originar outros gametófitos fechando o ciclo.
 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!