Características dos Seres Vivos

 

            Os Seres Vivos, com exceção dos Vírus, apresentam um quadro geral de características que os diferem dos corpos bruto.  Essas características são:

 

Organização Celular: Do Reino Monera (bactérias) e Reino Protista (protozoários) às sequóias e ao próprio homem, todos os seres vivos têm a sua estrutura e o seu funcionamento baseados na organização da célula. Muitos organismos são unicelulares. E, neste caso, a célula única que os forma tem de desempenhar a um só tempo todos os papéis que qualificam um organismo inteiro. Muitos outros seres são pluricelulares e, neles, já se observa a especialização de funções entre as células que os compõem. Os corpos brutos, entretanto, não têm, em sua formação, qualquer estrutura que se refira à célula. 

 

Composição Química: A análise de qualquer matéria bruta sempre revela uma composição simples com uma, duas ou três substâncias apenas. Isso estabelece um bom contraste com a complexa composição química da célula e dos seres organizados. A pesquisa química tem revelado um número imenso de proteínas, lipídios, glicídios, pigmentos, ácidos nucléicos, vitaminas e substâncias de outros grupos, na composição química da matéria que forma os seres viventes.

* Metabolismo: Os seres vivos despedem energia para a realização das suas atividades biológicas. Para tanto, eles consomem alimentos, que são os combustíveis dos quais retiram a energia necessária e cuidadosamente utilizada.

 

                                    Divide-se em:

 

**  Anabolismo: É o fenômeno de incorporação de matéria ao organismo.

 

** Catabolismo: É a desassimilação dessa mesma matéria com a finalidade de obtenção de energia

       

          Ao conjunto das etapas, dá-se o nome de Metabolismo.

 

Crescimento: O crescimento dos seres vivos se dá por multiplicação celular. Trata-se de uma forma de crescimento limitado, condicionada geneticamente para cada indivíduo de determinada espécie.

 

Reprodução: Todo ser vivo provém de outro ser vivo preexistente. Há sempre um processo de reprodução na origem de qualquer organismo: seja um processo simples, como que sucede com a ameba, seja um processo complexo, como o que ocorre com os animais superiores. Assim, a reprodução é uma constante na existência dos seres viventes e um fato que não diz respeito à natureza dos corpos brutos.

 

  • Evolução (Adaptação ao Meio): Ocasionalmente, ocorrem mutações em certos indivíduos tornado-os mais aptos à luta pela sobrevivência. Eles se mostram, então, adaptados a determinadas condições para as quais a sua espécie era antes menos ajustada. No processo evolutivo das espécies, esse fenômeno foi da mais relevante importância. As espécies que não sofreram mutações adaptativas desapareceram.

 

 

 

Aplicativo:

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!